Portugal pode criar mais condições para o investimento chinês, sob pena de acabar numa mera plataforma de investimento da China para África ou América Latina.

Choi Man Hin gostaria que Portugal criasse melhores condições para ter mais investimento chinês.

Portugal pode criar mais condições para o investimento chinês, sob pena de acabar numa mera plataforma de investimento da China para África ou América Latina. Choi Man Hin, presidente do grupo Estoril Sol, presidente da Associação de Comerciantes e Industriais Luso-Chineses e presidente do conselho consultivo do International Club of Portugal comunga desta visão.

Calmo e compassado, Choi Hi Min explica aquilo que a China ainda pode fazer por Portugal. Fala dos custos de contexto, da burocracia e da legislação que emperra as iniciativas. Critica aqueles que pensam que investir uns milhões de milhões de euros no país é suficiente, quando as companhias que chegaram a Portugal têm capacidade muito superior.

É preciso dar-lhes condições, sob pena de aterrarem em Portugal com os olhos postos nos grandes mercados continentais de África e da América Latina. Portugal, e Lisboa em particular, arrisca ser apenas uma passagem. Pelo meio vão ficando famílias que apostam no comércio, restauração e imobiliário, potenciado pelo programa de vistos gold, o qual recebe nota altamente positiva. Mas, afirma, pensar apenas no que foi feito é pouco (ler mais).

Por VÍTOR NORINHA Jornal OJE, 09 de Maio de 2014