António Horta-Osório revelou ao jornal britânico The Guardian que a saúde mental dos funcionários do Lloyds Banking Group tem sido uma prioridade na empresa.

O CEO do Lloyds Banking Group e Conselheiro da Diáspora Portuguesa, admitiu ao The Guardian que a mudança de atitude em relação à saúde mental ajudou os funcionários e o negócio a prosperar.

A sociedade britânica fez grandes mudanças nos últimos anos na vontade de conhecer, confrontar e tratar da saúde mental, mas os locais de trabalho continuam a ser uma área onde continuamos a lutar com os seus impactos: e os custos são devastadores.

Eu tornei a saúde mental num foco na minha empresa na sequência da minha experiência pessoal. É claro que a mudança mais importante e mais necessária é a de mentalidade. Temos de começar a ter uma forma de pensar que reconhece que todos temos saúde mental tal como temos saúde física. Tal como com a nossa saúde física, todos nós podemos experienciar fases de doença mental que é quando há necessidade de tratamento imediato, ou corremos o risco de desenvolver condições de longo-prazo que vão precisar de acompanhamento contínuo.

Quando um funcionário parte uma perna ou tem uma infecção, nós sabemos o que fazer. A saúde mental deveria ser encarada da mesma forma. Com uma cultura de apoio adequada e tempo livre suficiente, um trabalhador pode voltar ao trabalho com confiança e sem vergonha.

Esta é a mentalidade que estamos a adoptar no Lloyds Bank. A ação que tomamos nos últimos anos baseada no diálogo com os nossos colegas. Aprendemos as lições ao longo do tempo, que eu creio que devem ser adoptadas por qualquer empregador.

Leia o artigo completo aqui.

Por The Guardian, Maio de 2018