Portugal manteve-se na 34.ª posição do ranking mundial de competitividade do Fórum Económico Mundial, que analisou 141 economias, devido a alterações metodológicas com impacto global. Apesar disso, Portugal melhorou sobretudo na inovação tecnológica.

Portugal manteve-se na 34.ª posição do ‘ranking’ mundial de competitividade do Fórum Económico Mundial, que analisou 141 economias, devido a alterações metodológicas com impacto global. Apesar disso, Portugal melhorou sobretudo na inovação tecnológica e piorou no mercado laboral.

Através sobretudo de inquéritos a empresários, as equipas que colaboram com o Fórum Económico Mundial (em Portugal é a Associação para o Desenvolvimento da Engenharia e o Fórum de Administradores e Gestores de Empresa) focaram-se em 12 pilares fundamentais, analisando respostas de 149 empresas.

Segundo os resultados divulgados nesta quarta-feira, 9 de outubro, apesar de a posição global de Portugal se manter, a competitividade da economia portuguesa desce posições em sete pilares, sobe em quatro e mantém-se num.

A maior queda ocorre no pilar do mercado laboral (Portugal desce 14 posições), ou seja, esta é das áreas que mais penaliza a competitividade da economia, segundo os empresários inquiridos. Os impostos e a mobilidade laborais, a dificuldade em contratar e despedir são os pontos específicos onde Portugal tem as piores posições a nível mundial nesta matéria.

Ainda assim, a solidez e os rácios de capital da banca são as duas questões específicas onde Portugal tem as posições mais baixas em comparação com as restantes economias analisadas: fica em 123.º e em 125.º, respetivamente, quase no fim da tabela.

Por oposição, foi no pilar de utilização de inovação e tecnologia que Portugal mais subiu. O acesso a Internet de banda larga, segundo o Fórum, traz ganhos significativos de competitividade à economia, já que Portugal está em 16.º lugar nestas questões.

A inflação baixa, a ausência de terrorismo e o acesso a crédito são as componentes onde Portugal fica mais bem colocado em comparação com outros países: fica em primeiro lugar em todas.

Ver notícia completa AQUI.

Por Jornal de Negócios, Outubro de 2019

Related Articles