Explorar todos os benefícios de uma diáspora é um desafio enfrentado pelos governos africanos. O FurtherAfrica entrevistou Filipe de Botton, Presidente do Conselho da Diáspora Portuguesa, que está a usar a força e a influência dos seus pares para ajudar a aproximar os europeus e os africanos.

As diásporas estão a tornar-se rapidamente num dos grandes pilares do desenvolvimento económico para muitos países de África e outras regiões emergentes do mundo. Hoje em dia, as contribuições de cidadãos africanos espalhados pelo mundo para os seus países de origem não apenas financeiras, mas também intelectuais e culturais.

Fabio Scala: Obrigado por partilhar alguns dos seus pensamentos com o FurtherAfrica e parabéns pela segunda edição do EurAfrican Forum. O ideia de usar as diásporas para o crescimento tem sido explorada pelos países africanos. O que é que considera fundamental para este relacionamento funcionar? 

Filipe de Botton: Se olharmos para a qualidade das diásporas, torna-se claro o poder “inexplorado” que existe neste grupo de cidadãos de vários países prontos para ajudar. Tipicamente, as diásporas são pessoas qualificadas – ou seja, se se concentrar na Diáspora da Influência (ou seja, as pessoas que conseguiram ser bem-sucedidas no país de destino) – que têm muita vontade de ajudar das mais variadas formas o seu país de origem. Basta olhar para outros países, como Índia, China, Irlanda ou Israel, e entende-se facilmente o interesse em organizar o que chamaríamos de diáspora de influência.

Fabio Scala: A sua organização estabeleceu com sucesso uma estrutura que suporta uma imagem muito positiva do seu país em todo o mundo. Como é que os países africanos podem tirar proveito da mesma estratégia?

Filipe de Botton: Obviamente, cada país é um caso diferente. No entanto, todos os países devem organizar e usar a sua diáspora. A questão é como organizar e estruturar. Nos quatro países que acabei de mencionar, são os seus governos que os financiam, gerem e organizam.

Decidimos fazer isso de uma maneira diferente: ter a sociedade civil – sem nenhuma interferência direta ou financiamento do governo português – para criar o Conselho da Diáspora Portuguesa. Temos um rácio muito interessante em Portugal: tem cerca de 10 milhões de habitantes em Portugal e mais de 5 milhões a residir no estrangeiro, o que significa um rácio de 50% quando a média mundial global é de 3%!

Fabio Scala: Seria uma fórmula que talvez a sua rede pudesse aplicar aos países africanos como um serviço de consultoria? Como é que isso funcionaria?

Filipe de Botton: Decidimos que estamos agora a entrar na 3ª fase do Conselho da Diáspora Portuguesa. A 1ª fase foi estruturá-la e organizá-la, a 2ª a ser não só um think tanker – pensamos que não há valor em “apenas pensar” – mas a realizar iniciativas eficazes e objectivas para Portugal (repensando a marca internacional de Portugal, criando um sistema alternativo de cancro para reduzir os custos do sistema de saúde português, criando um fundo de 50 milhões de dólares em biotecnologia com uma das maiores universidades portuguesas, apoiando o repensar do sistema educativo e preparando os estudantes portugueses para os novos locais de trabalho , etc). Agora, e voltando à sua pergunta, deveríamos prestar serviços de consultoria: achamos que temos que internacionalizar o Conselho da Diáspora Portuguesa, tentando ajudar os países africanos a criar o seu próprio Conselho da Diáspora. Como devemos alcançar isso: respeitando todos os países africanos e suas sociedades e dando ferramentas para aos locais, ajudando-os a criar rapidamente seus conselhos.

Fabio Scala: Muitos governos africanos estão a tentar internacionalizar a sua imagem através da sua diáspora. Acredita que cabe aos governos criar essa estrutura ou que isso deveria ser uma colaboração que envolve o sector privado?

Filipe de Botton: Respondendo verdadeiramente à sua pergunta, sou um fã da iniciativa privada, mas trabalho em estreita e equilibrada relação com os nossos governos para ajudar. O que quero dizer é que o Conselho deve ser “privado”, mas ter como seu Presidente Honorário e Vice-Presidente, o Presidente e o Ministro dos Negócios Estrangeiros do respectivo país. Precisamos de ser uma associação independente, mas com uma estratégia clara de ajudar e apoiar os nossos países através de uma cooperação conjunta com os nossos governos.

Fabio Scala: Muito obrigado e boa sorte com a próxima edição do EurAfrica Forum, tenho a certeza que será um sucesso.

 

Por Further Africa, Junho 2019

Related Articles